Crônicas de Botequim

Carta ao Marciano

Carta ao Marciano

Rubem Penz

Caríssimo Marciano,

Espero pegar-lhe bem de saúde. E bem antes de partir para cá em viagem, também. Ao menos a tempo de pedir um favorzinho miúdo: se há planos de vir à Terra e, ainda, fazer-me uma visitinha, esqueça de colocar na bagagem aquele apelo clássico “leve-me ao seu líder”. Explico.

O fato é que “meu líder”, neste momento, anda um conceito muito difícil de lidar e, só de pensar, já entro em crise. Tempos atrás, por exemplo, corria um boato de que o mundo, se ainda não era da Bayer, era da Johnson & Johnson. Ou da Gessy Lever. Hoje, os novos donos do mundo são mais voláteis e ficam trocando de posição (ainda que todos girando em volta de telas e teclados). Windows ou Facebook? Já seria a Amazon? E, mesmo acertando, meu acesso aos CEOs é deveras complicado.

Caso o líder político seja o alvo, por favor, não me constranja. É um apelo que faço – me dão gastura. Quisera fosse “meu líder” a Angela Merkel, mulher mais poderosa da Europa e, para alguns, do Mundo Livre. Mas, se minh’alma assim deseja, a mente desloca a liderança de força para um camarada a quem tenho lá minhas diferenças. O nome dele começa com D, é o que adianto no momento. Todavia e contudo, porém, se estiver no conceito de “meu” a proximidade, piorou. Vai por mim: não chega a ser grande coisa conhecer meu líder. Não sei se vale a viagem. Repense.

Para a hipótese de ser “meu líder” um religioso, vá lá, calhou de ser um Papa argentino. Hermano gaúcho. Prafrentex, alguns consideram. Com certeza um cara mais leve do que o antecessor, cujo nome já saía de nossa boca com ares de xingamento. Ele sorri tanto quanto o último italiano, JP Primeiro, o breve. Mas, não sei, não sei… Levar um extraterrestre para o Vaticano não é exatamente o que considero um passeio representativo da raça humana (ainda que seja um lugar lindo). E é muita idiossincrasia junta para explicar ser a Igreja Católica Apostólica Romana um grupo unido por um profeta que denunciava os vendilhões do templo. Dá preguiça.

Agora, se a carta chegou tarde, pegou você a caminho e com o pedido engatilhado, vou propor um negócio: faço um churrasquinho e apresento minha mulher. Assim como de praxe, ela manda em casa e, por extensão, em mim. Ela é meu líder mais imediato na cadeia de comando que vale: a do coração. Escute ela dizer que não é bem assim, que ninguém manda em ninguém e tal e coisa. Sorria e pisque com cumplicidade – é de bom tom. Depois, caso esteja com tempo, visite outras pessoas menos desiludidas do que eu com outros líderes. Mas, em caso de decepção, não esqueça que eu avisei.

Comentários
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo