Crônicas de Botequim

A esperteza dos gatos

A esperteza dos gatos

Rubem Penz

De todos os animais domesticáveis, o homem deve ser o mais vantajoso. Este deve ter sido o pensamento do primeiro felino de pequeno porte que, um dia, se aproximou daquele falante macaco sem pelos, um tanto desajeitado, porém, cujas fêmeas em algum aspecto aos gatos se assemelhavam. Pesou a favor da decisão a inteligência, a autonomia, a capacidade de estar num momento ao dispor, em outro ocupado com as suas próprias questões. E, claro, fazerem sua própria higiene.

Os humanos, raciocinou o primeiro felino, são carinhosos. Quer dizer: quase todos. Há uns agressivos, claro. Do nada fecham a cara, ignoram a presença de um gato ao redor. Ou pior: agridem. Têm também os desconfiados – aquela turma fadada a demorar um tempo de reconhecimento, os que deixam o gato girando ao redor antes de oferecer o óbvio colo. Humanos arredios, mas de bom coração.

Humano doméstico deve saber que os gatos não o escolheram à toa.

Mesmo entre os homens bem domesticados, existem oscilações de atenção. Um gato esperto sabe que alguns não gostam de ter a presença de um gato imposta a todo instante como se obrigação fosse. Não! O ideal é deixar seu animal doméstico entretido com outras coisas, como trabalho, afazeres domésticos, criação da prole. Para o gato, quantidade não é qualidade: respeito mútuo com as prioridades constrói a boa relação.

Agora, quando é hora de estar junto, nem vem! Humano doméstico deve saber que os gatos não o escolheram à toa. Quando a vontade de trocar carinho vem do gato, nada de se esquivar, fazer-se de desentendido. Nada de negar colo, nada de ocupar as mãos em teclados ou telas. Afago é a moeda, tanto quanto a comida e o cuidado com a areia e os brinquedos. Onde já se viu animal de estimação incapaz de fazer seus truques?

Gatos gostam tanto de seus animais de estimação a ponto de fazer concessões muitas vezes perigosas, outras vezes arriscadas. Deixam, por exemplo, seu humano domesticar, ele mesmo, cães. E cachorro é um perigo! Nem todos conhecem seu lugar. Mas risco, mas risco mesmo, acontece quando em sua casa seus humanos domesticarem pássaros e peixes. Provocação! Depois o gato dá vazão à sua natureza e o homem fica triste ou revoltado. Ora, a culpa nunca é do gato.

Felinos e seus humanos de estimação são lindos de se ver. E sabe o que é mais engraçado? Ainda existe quem entenda a relação ao avesso.

 

Comentários
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar