The news is by your side.

Coluna do Jornal Metro 29.08.2012

0 544

GREVE DE SEXO E OUTRAS SEM-VERGONHICES
Está no noticiário: hoje, faz 24 horas que as togolesas entraram em greve de sexo. A ideia é abster-se de abastecer maridos para convencê-los a derrubarem o regime opressor. A inspiração vem das liberianas, e do fato de o Presidente gostar muito dos esportes de alcova. Assim, elas não amolecerão durante uma semana, na esperança de que os homens endureçam.
Que usem o ímpeto para a derrubada do governo – argumentam as ativistas, joelhos fechados em piquete. Em riste, apenas os punhos – ecoam as palavras de ordem. Armados, só se for para a luta – ordenam sem dó nem piedade. Se desejarem muito meter algo, que metam logo o pé na porta do Palácio – bradam as mais dispostas a levar essa história de trocadilhos além da fronteira do bom gosto.
Fiz uma rápida enquete com os amigos de bar sobre essa manchete. Um deles comentou que, na casa dele, uma semana sem sexo não seria greve, e sim uma bênção, pois está exaurido de tanto fazer. Por algum estranho motivo, ninguém acreditou. Quando ameaçamos ligar para a patroa e conferir a história, o desmentido veio rápido.
Outro, cabisbaixo, confidenciou para o grupo em voz miúda: no meu caso, sexo de sete em sete dias não é greve, está mais para operação padrão… Parece que ele não ergue a bandeira com tal frequência desde o tempo dos Caras Pintadas. Para motivá-lo à insurgência civil, bastaria a promessa de retorno à normalidade constitucional, mesmo que, em alguma medida, provisória.
Um terceiro invejou a situação africana. Para ele, deixar de fazer sexo em causa tão nobre é algo magnífico. Por aqui, qualquer motivo tolo já suscita paralisações. Foi tomar um chope com os parceiros na sexta-feira? Greve. Coincidiu ter futebol na TV quarta e quinta? Greve. Deu carona à nova colega de repartição porque chovia muito, ficando preso num engarrafamento e perdeu a hora? Greve. Assim é difícil negociar!
Chamado a tomar posição nesse enrosco, procurei ser conciliador. Sem ter o que tirar nem por quanto ao mérito da iniciativa togolesa, a solução poderia estar nas mãos dos homens. Ora, que prometessem, por um lado, uma passeata aqui, outra acolá. Em troca, exigissem uns 30% de disposição – apenas para serviços essenciais. Afinal, o importante é cair o governo, não a moral da tropa.
Enquanto isso, no Brasil, a sem-vergonhice pública não faz greve nem tira férias. E nós, passivos.

Deixe um comentário

avatar
  Acompanhar discussão  
Notificação de