Metro - Porto Alegre

Dois sonhos, duas medidas

Rubem Penz

Era uma vez um menino com um sonho, um lindo sonho. Tão lindo, a ponto de ele ficar com medo de outras pessoas sonharem igual. Então, procurou um renomado mercador e comprou uma gaiola transparente – era garantido de que eles não escapavam de grades de cristal – e aprisionou seu sonho. Porém, mesmo recluso, o sonho teimava em se mostrar. Foi quando o menino voltou ao mercador e trouxe de lá um manto de fios de ouro para cobrir a gaiola – o dono do estabelecimento afiançou que os sonhos adormeciam quando ocultos pelo manto dourado.

E os anos se passaram. O menino virou um rapaz e o rapaz se tornou homem. Por onde andava, levava junto a si a gaiola de cristal coberta pelo manto dourado: seu precioso sonho. Raramente deixava transparecer que escondia algo. Quando, por acidente, dava a entender, ao ser indagado sobre seu mistério, desconversava. Ele próprio pouco ousava erguer a cobertura com medo de, ao despertar o sonho, tê-lo flagrado por outrem. Até que o homem envelheceu.

Era outra vez outro menino com um sonho, um lindo sonho. Tão lindo a ponto de ele ficar com medo de outras pessoas sonharem igual. Então, buscou conselhos com o avô, o mais sábio homem que conhecia. Desejava saber o que fazer com tão preciosa quimera. Ao ver o sonho do neto, ele ficou possesso: quem lhe dera autorização de roubar sonhos alheios? Como assim, roubar, assustou-se o menino, assegurando que havia sonhado aquele sonho. Foi quando o velho trouxe a gaiola de cristal coberta por um manto de fios de ouro e, pela primeira vez, revelou seu conteúdo. Incrível: ambos tinham o mesmo sonho. Um, inerte. Outro, vívido, ensaiando saltar dos pensamentos para a ação.

Nossa!, espantou-se o menino, a vovó sabe que o senhor tem um sonho escondido? Não, ele respondeu. E o papai, ele sabe? Ninguém sabe, disse o velho, cobrindo novamente a gaiola. E o sonho é seu desde quando? Desde quando eu tinha a sua idade, disse o avô com o olhar fugidio. E agora, o que eu faço, indagou o menino, ainda confuso. Ora, guarde bem, disse o velho: compre uma gaiola de cristal e um manto de fios de ouro, como eu fiz. Mas o menino ficou ressabiado: e se eu quiser que ele um dia vire realidade, ao contrário do seu? Ah, meu neto, disse o velho, você parece ter mais coragem do que eu. Então, vá ao mercador e troque seu lindo sonho por um pequeno projeto. Parecerá péssimo negócio. Todavia, apenas os projetos, na troca por um lindo sonho, têm o poder de virar realidade.

Ao se despedirem, o velho considerou, enfim, libertar seu sonho. Mas ele em silêncio, em data incerta, havia morrido.

Crônica publicada no Metro Jornal em 21.07.15

Comentários
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar