Rubem Penz

Quem conhece um pouquinho da teoria do fogo sabe que é preciso três elementos para que ele aconteça: combustível, comburente e calor. Combustível não nos falta: líquido ou sólido, é o material responsável pela disseminação das chamas. Papel, madeira, plástico, gasolina, álcool… Comburente, basta conhecermos um: oxigênio. Ele determina o fogo – se pouco, a chama será asfixiada e lenta. Quando bastante, rápida ou mesmo explosiva. Por fim, o calor é disparador e garantidor do ciclo. Pode vir de uma faísca elétrica, de outra chama, do atrito. Com combustível, oxigênio e calor, temos o início de um incêndio. Por exemplo:

Religião – ótimo combustível. Seja qual for o credo, seja qual for a época, quando temos preceitos religiosos envolvidos teremos, também, um material muito incendiário. Experimente mexer com o judaísmo, com o cristianismo, com o hinduísmo. Experimente mexer com o Islã. A fé espalha-se como palha seca e, quando acesa, destrói tudo o que vier pela frente. Na história da humanidade encontramos momentos de catástrofe em nome de deuses.

Sexo – a semelhança do oxigênio, ele é vida. Elemento da natureza, é intrínseco, visceral. Pode ser íntimo, contido, dotando as chamas de doce brandura. Quando devasso e libertário, sua explosão fere e deixa marcas. Não pode ser coincidência estar o inferno em chamas e ser ele o destino prometido aos promíscuos. Sexo alimenta o fogo capaz de inquietar a todos e, por isso, vira alvo de severo controle. O drama é dependermos dele como o ar que se respira.

Exposição – eis nosso calor. Deixe o seio a mostra, uma fenda na saia. Descubra o pênis. Use palavras de duplo sentido, faça gestos eróticos, ponha as mãos em seu corpo, no corpo alheio. O rubor será imediato pois, onde há sexo revelado, a face queima. Agora, experimente o atrito que é expor num só tempo e espaço sexo e religião. Mais do que sexo: ele em forma propositalmente chocante. Sim, faça a arte: escreva “cu” em uma hóstia. É este o quadro do momento.

Quem conhece minha história sabe que sou contra a censura (diferente de classificação). Católico, já banquei a liberdade de expressão ao defender – e publicar – um texto libidinoso e ardente em forma de prece. Consciente e tranquilo, sigo fiel a esta diretriz. Agora, não sejamos ingênuos: quem se surpreende com as consequências de Queermuseu no Santander, nada sabe da teoria do fogo. Censura, hoje, é a mais eficiente exposição. Isto é, um dos seus três elementos.

Crônica publicada no Metro Jornal em 12 de setembro de 2017

Textos Relacionados

Comentar

Your email address will not be published.