Coluna do Metro Porto Alegre em 06.03.13

PARA ENCONTRAR UM NOVO AMOR

Abriu a janela do quarto e, num longo espreguiçar-se, parecia querer abraçar o mundo. A meia estação ofertou uma luz ainda suave de amanhecer preguiçoso. O chambre cobria seu corpo de modo displicente. Mirou o horizonte como quem imagina estar vivendo um dia ideal para encontrar um novo amor. Antes de fechar as cortinas, cabelos molhados e um iogurte nas mãos, atreveu-se num longo suspirar.

Ao ganhar as ruas, deu bom dia ao motorista do ônibus e, logo a seguir, ao cobrador. Tinha aquele sorriso discreto de quem guarda consigo a impressão que o dia lhe esconde um novo amor. Uma parte deste sorriso permaneceu enquanto lia o jornal apanhado na esquina de casa, pulando estrategicamente as seções para ler, primeiro, a crônica. Estranho: o texto parecia descrever sua vida. Depois da parada estratégica na padaria para recolher o quindim de mais tarde, entrou a galope no escritório.

A manhã escorreu-lhe dos dedos finos que saltavam inquietos entre o teclado do computador e do telefone. No intervalo do café, sorvido na companhia amarela do doce, pareceu absorta aos colegas. Entre eles, algum seria capaz de notar em seus olhos o brilho de quem aguarda um novo amor? Amenidades, tiradas de humor e temas esportivos. Pouco havia de extraordinário na conversa, ainda que nada fizesse sombra à luz de suas íntimas convicções.

Almoçou por R$12,75 na balança do bufê consciente de que o vazio no coração não deve ser ocupado com comida. Perdeu-se nas conversas paralelas das mesas vizinhas. Sua própria permaneceu com a cadeira defronte vaga, bem como vagos estavam seus pensamentos.  A tarde deu-lhe o cenho franzido da reunião externa, algo que tisnou aquele que parecia ser o dia certo para encontrar um novo amor. O céu estava carregado e as lâmpadas da avenida não formavam um consenso entre acender ou apagar. Quando girou a chave de seu apartamento, de volta, a noite prometia ser insolúvel. Na fria solidão da TV, falecia um dia que nascera propício para encontrar um novo amor.

 

Digito o e-mail: 7h30 saiu de casa para o escritório; 12h30 almoçou sozinha; 16h entrou na empresa de um cliente, saindo de lá 17h30 direto para casa; chegou 18h15 e não mais saiu. É esse o relatório que enviarei ao ex-marido. Ao mesmo tempo completo e cheio de lacunas. Cuido para não transparecer que estávamos num daqueles dias de encontrar amores. Ela, sem saber que nunca esteve sozinha. Eu, prisioneiro da ética. Invisível.

Textos Relacionados

Comentar

Your email address will not be published.