Metro - Porto Alegre

Para sairmos do buraco

Rubem Penz

Iniciativas facilmente rotuláveis de antiquadas guardam alguma lógica. Por exemplo, a relutância em usar programas de mapas para nos guiar no trânsito. Sempre que posso, dispenso o GPS justamente para manter mais ou menos em dia a capacidade de me localizar no mundo. Às vezes, porém, a coisa sai do controle. Como na noite de quarta-feira passada, numa cidade próxima, quando perdi a esquina certa por detalhe. Para retornar, andamos muito e, sem querer, nos metemos naquilo que, por preconceito, pareceu ser uma “bocada”: vila popular sem infraestrutura urbana. Como estava no banco de trás, sugeri à motorista que manobrasse para voltarmos (no carro, duas mulheres e eu). Ao dar marcha a ré, caímos num buraco. E, pelo aclive, o automóvel não conseguia sair por si.

Éramos ali três representantes da malfadada elite branca diante do Brasil cru, profundo, verdadeiro. E agora? Pois não demorou trinta segundos para surgirem pessoas. Primeiro, crianças. Depois, homens e mulheres. Eu, já fora do carro e avaliando a situação (nada grave, apenas complicada), fui acalmado por um senhor bastante humilde: nosso percalço era recorrente. A toda hora isso acontecia sem que arrumassem a via. Dois ou três homens (e eu) empurrando foi o bastante para sairmos da arapuca. De lambuja, nos indicaram o caminho para chegar ao destino. Um pouco surpresos e muito agradecidos, partimos.

Estranho, né? Não indagaram sobre cores partidárias, orientação sexual ou religião. Ninguém cuspiu, ofendeu, acusou, extorquiu, ameaçou. Em instantes, uma rede de solidariedade deu a exata lição de cidadania, bondade e bom humor. Sim – todos pareciam muito leves e, talvez, rissem do nosso temor. Saíram do lar quentinho para ofertar uma dose de esperança. O oposto do que bem-nascidos estão a fazer nas redes sociais, nos aeroportos e restaurantes. Nos palácios. Inundado de vergonha alheia, reconheci nossa salvação: ela está onde sempre esteve. Está diante dos nossos olhos.

Esse país, na boa intenção de se localizar no mundo, perdeu a esquina e caiu no buraco? A encruzilhada parece sombria e ameaçadora? É claro. Mesmo assim, hoje estou acrescido de fé. Os humildes têm muitas das respostas. Aos líderes cabe um pouco de serenidade, solidariedade e leveza para voltar ao caminho do bom destino. Foco na solução. Decência. Bondade. Honestidade. Transparência. Humildade. Respeito. Lucidez. Primeiro: sair do buraco. Depois, consertar o buraco. Acima de tudo, honrar o povo brasileiro. Eles merecem mais, muito mais do que recebem por seus sacrifícios. Façamos isso já, no mínimo, por gratidão.

Crônica publicada no Metro Jornal em 03.05.2016

Comentários
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar