Metro – Porto Alegre

Desce a cortina de ferro

Segundo Moacyr Scliar, dito num programa de TV com o Verissimo, a crônica é a transcrição para o jornal da…

Leia mais »

Pelos poderes da retórica!

Rubem Penz Hoje começo com uma história antiga. Conversava com as crianças – à época eram crianças as minhas crianças…

Leia mais »

Alerta vermelho ao táxi branco

Rubem Penz Cena um, cotidiana: minha sobrinha paulista (paulistana), numa recente estada em Porto Alegre, reparou espantadíssima na quantidade de…

Leia mais »

Variações sobre varais

Rubem Penz Se existe um ditado incontestável (há quem adore contestar ditados), é o “cada louco com sua mania”. Primeiro,…

Leia mais »

Por que estou feliztristecido?

Rubem Penz Olhe para a cor dos seus olhos, cabelos e pele. Olhe para o desenho do nariz, dos lábios,…

Leia mais »

Se você fosse uma cidade?

Rubem Penz Começamos em casa a ver a série “La casa de papel” no Netflix por causa do bom trailer…

Leia mais »

Para a última refeição

Rubem Penz Soubesse ser sua última refeição, antes, teria aberto aquele intocável uísque que um dia ganhara de presente, retirado…

Leia mais »

Carta-resposta do Papai Noel

Rubem Penz Cara criança nascida até 1996 e, especialmente, antes desta data, Recebi em tempos mais ou menos pretéritos suas…

Leia mais »

Comparando o incomparável

Rubem Penz Responda rápido: prefere se deslocar de bicicleta ou sorvete de baunilha com calda de caramelo? Se pudesse escolher,…

Leia mais »

Cais de maduro, cais de podre

Rubem Penz Esta será a última de cinco crônicas sobre o mesmo tema: O Centro Histórico de Porto Alegre. Recapitulando,…

Leia mais »
Botão Voltar ao topo