Rufar dos Tambores

Número 381

O CRAVO E A ROSA

Diz a cantiga popular que o cravo brigou com a rosa debaixo de uma sacada. E, como acontece quando dois amantes digladiam, o cravo saiu ferido e a pobre rosa despedaçada. No segundo verso, o cravo ficou doente e, condoída, rosa foi visitar. O cravo teve um desmaio e a rosa se pôs a chorar. Pura tragédia shakespeareana! Flores significando juventude, doenças aludindo a impossibilidade do “felizes para sempre”, temperada por tardio arrependimento pela desavença. Perfeição! Mas há detalhes sórdidos que permeiam essa história.

Fontes bem adubadas me confidenciaram que o pivô da briga entre o cravo e a rosa foi o sedutor gerânio. Begônia, amiga invejosa dos namorados ‒ e que não via um cravo fazia horas ‒, dissipou pelas patas de uma abelha o boato de que gerânio convidara rosa para entrelaçarem raízes atrás do xaxim das orquídeas. Cravo ficou pistilo da vida e foi tomar satisfações com sua querida. Quanto mais ele a acusava, mais murcha ficava a pobre flor. Teria morrido seca se não fosse socorrida por petúnia, a petulante. Esta, que não era exatamente flor que se cheirasse, ao menos tinha uma qualidade: defendia as mulheres de modo incondicional. Ainda mais uma corola como a rosa.

Foi quando o jogo começou a virar: petúnia resgatou uma desconfiança antiga, a qual implicava cravo em um suspeitíssimo brinquedo de bem-me-quer e mal-me-quer com a margarida, lá atrás da sirigaita samambaia. Cravo ficou branco. Porém, como todo homem com culpa no cartório, defendeu-se acusando: essa história teria sido criada pela maria-sem-vergonha, depois de eles terem rompido seu conturbado relacionamento. Cravo queria saber como flores de buquê tão refinado poderiam dar ouvidos àquela florzinha desqualificada e rampeira? A resposta de petúnia não deixou seixo sobre seixo: só poderia falar mal da maria-sem-vergonha quem jamais tivesse namorado com ela. Isto é, não sobrou ninguém… Até os inços se entreolharam.

O caule engrossou de vez no momento em que o girassol confirmou ter visto cravo rumando para trás da samambaia. Mas nada falara antes porque, ao girar, ficou de costas, e não soube o que teria acontecido lá. Temia, enfim, levantar falso testemunho. Logo, cravo saiu ferido em sua dignidade. E rosa, vermelha de vergonha, ficou despedaçada de decepção… Begônia, a falsa, enquanto consolava a amiga rosa, olhava com excitação para aquelas folhas em formato de coração do safado do gerânio. Petúnia e girassol prometeram tirar tudo em pétalas limpas com a samambaia, já que margarida fora colhida faz tempo, deixando, à época, cravo bastante aliviado. Lágrimas de chuva encharcaram toda terra por muitos dias ‒ murchava um amor perfeito.

Mas o tempo e as minhocas sempre movem a terra do pátio… E, nas voltas do destino, o entristecido cravo se viu à beira do canteiro, tomando orvalho ao lado do desafeto gerânio. Brotou um certo companheirismo masculino e gerânio disse que sabia como cravo teria rosa de volta: bastaria beber uma dose alta de herbicida, ficando doente. Rosa viria correndo para seu caule. Assim aconteceu: rosa, aos prantos e com cravo desmaiado em seus braços, jurou amor eterno. Quando seu escolhido acordasse, proporia reconciliação.

Todo jardim olhava enternecido para a cena de romance. Por isso, ninguém reparou que o beagle da vizinha pulou a cerca para enterrar seu osso bem debaixo da sacada. A coisa foi violeta! Lado a lado, morreram o cravo e a rosa. Muito, muito triste. Porém, muito, muito belo…

PS: Para não dizer que só falei de flores, um grande abraço aos meus amigos papais pela passagem de seu dia. Façam de seus exemplos de vida a maior semeadura; colham no olhar dos filhos o valioso presente!

Comentários
Mostrar mais

Artigos relacionados

4 Comentários

  1. As rosas não falam, simplesmente exalam o perfume… como quer Cartola. Mas no seu jardim, o silêncio das flores é um uivo perfumado pra anunciar a dança das petálas. Parabéns, bela cheirosa crônica!
    abraço
    Natália

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo