Rufar dos Tambores

Algemas de falópio

Número 419

Rubem Penz

As imagens de uma mãe que passa na rua e deixa seu bebê em um container de lixo, flagradas por câmeras de segurança, foi exaustivamente reprisada e varou fronteiras por esses dias. Também pautou reportagens recordando casos semelhantes: um bebê encontrado em saco de lixo, outro no valão do esgoto, outro atirado sobre o muro. E muitos mais pipocam no noticiário, sempre com a mesma questão: por que uma mãe abandona seu filho? Respondo: porque ela, antes, o acolheu.

Aqui está uma das diferenças básicas entre homens e mulheres, impossível de ser ignorada, mesmo em tempo de brados pela igualdade: mulheres são ventres, e a Natureza criou o ventre para acolher a vida. Por sua vez, homens ejaculam, isto é, lançam a vida para longe de si. Assim, entre tantos canais de TV, poucos se lembraram de fazer aquela pergunta primeira de quem compreende o nascimento como fruto da união de um casal: onde está o pai nessa história de abandono? Respondo outra vez: ele simplesmente não está, pois só pode abandonar quem um dia acolheu.

Abrigar os filhos é tarefa precípua das mães. Assim, quando um rapaz fecunda uma parceira e, com o perdão da alusão anatômica, simplesmente tira o corpo fora, pode fazê-lo sem lidar com igual parcela de culpa e sofrerá cobrança moral menos rigorosa do que aquela que será imputada à mulher. Isso é triste, injusto, errado e precisa mudar (está mudando), mas é a realidade – ou saiu a notícia de que o pai da menina jogada no lixo também poderá ser denunciado por abandono de incapaz? Ah, claro: ele não a abandonou, pois sequer a acolheu.

Eis a razão de o fardo da anticoncepção pesar tanto mais sobre os ombros das mulheres: ao nascerem, foram condenadas ao acolhimento. Por isso, nada libertou mais o sexo feminino do que os métodos anticoncepcionais. E, melhor: sem culpa, colocando as moças, finalmente, em pé de igualdade com os rapazes. Afinal, mesmo o aborto (a vida é ou não válida ainda na fase embrionária?) traz uma sombra de abandono, fazendo sofrer. A saída indolor para o impasse é entregar à mulher a chave das suas algemas de falópio.

Faz muito tempo que a elite cultural e econômica gera prioritariamente filhos planejados, usufruindo de plena liberdade de escolha. Estivessem tantas mulheres que sofrem pesadas restrições sociais atendidas por programas sérios e eficientes de conscientização em termos de fertilidade, não haveria tamanho abandono infantil. Evitando a acolhida inicial, quando involuntária ou irresponsável, preveniríamos o desamparo.

Nossas crianças não estão jogadas no lixo somente no sentido literal, aquele da notícia: também lá estão quando, miseráveis, sucumbem em rotinas degradantes. Conteiners metafóricos aguardam nossos anjos nas drogas, na prostituição, na exploração do trabalho infantil, nas mortes violentas, nas doenças que brotam da falta de saneamento básico, na mendicância. Todos podem ver isso sem a necessidade das câmeras de vigilância. Mas as autoridades escolhem não ver.


Visite-me em:
www.rubempenz.com.br
www.rufardostambores.blogspot.com

Comentários
Mostrar mais

Artigos relacionados

8 Comentários

  1. Sabe o que muito me incomoda além do que comentaste? É a ausência de serviço social. Onde estão os assitentes sociais e a mídia para ensinar a estas mulheres que seus filhos podem ser entregues para adoção, não precisam ser paridos as escondidas e jogados no lixo. São mulheres envergonhadas, que não desejavam estes filhos e que escodem a gravidez, na maioria dos casos ninguém sabia que estavam grávidas, são invisíveis aos olhos do estado e dos que as cercam. Vítimas das algemas de falópio, do desejo, da ignorância e do abandono do estado.

  2. O ato de acolher em seu ventre, Ruben, não é um ato voluntário para muitas mulheres, sabemos disso.
    Acho que é hora de abandonarmos esta visão romântica da maternidade. Maternidade esta que hoje constitui um fardo irresponsável para tantas. O que é de se lastimar.

  3. Obrigado pelo texto!
    Não sabia que um homem que tem por sua natureza expulsar a vida seria capaz de tamanha consciência
    humana.
    Parabéns!!!

  4. Cara Diana, fico honrado com seu elogio. Sou daqueles que está na trincheira da igualdade, negociando os papéis de modo a suavizar o caminho de ambos os sexos. Se chegaremos lá? Espero que sim! Muito grato, abraços, Rubem

  5. Dificil até comentar. Seu texto, como sempre, é lúcido e, particularmente nesse caso, de uma sensibilidade ímpar,buscando analisar sem julgar. Adorei. Obrigada e Parabéns pelo seu dom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo