Rubem Penz, porto-alegrense nascido em 1964, é escritor, publicitário, baterista/percussionista e compositor. Graduado em Educação Física pela ESEF/UFRGS (1985), foi empresário no ramo de telecomunicações.

É baterista do quarteto jazzístico Grupo Versão Brasileira desde 1987, com o qual gravou o álbum Passatempo no ano de 2000. Teve suas primeiras composições gravadas no álbum Donaflor, de Anne-Florence Schneider (Suíça) em 2010. Em 2013, Vanessa Longoni gravou Folia do Divino (Marcelo Delacroix e Rubem Penz) no álbum Canções para voar, em duo com Danilo Caymmi. Desenvolveu trabalhos musicais ao lado do violonista Cristiano Fischer e do cantor David Sosa (As rosas não falam – centenário de Cartola), e do violonista Maurício Marques e do cantor Dudu Sperb (Filosofia – Adoniran & Noel) com os quais excursionou no Circuito ARTE SESC da música, respectivamente em 2008 e 2010. Entre 2013 e 2014 integrou o Grupo Mojave. Entre 2014 e 2016, fez parte da banda A Tropicália tá chegando, montada para uma peça teatral homônima. Mantém desde 2003 a rotina semanal de crônicas, inicialmente acompanhada no blog Rufar dos Tambores, agora em seu site.

Passou a contribuir com artigos regulares no jornal Zero Hora em 2005 e, entre 2007 e 2013, assinou colunas nos jornais Comunidade News (que circula nos EUA), Diário de Viamão e Diário da Fronteira (Uruguaiana). Foi cronista da Revista Bem me Quer desde o segundo número em circulação. Atualmente é colunista do Metro Jornal Porto Alegre, da revista eletrônica especializada em crônica RUBEM e do BLOG DA PROJETO.

Publicou O Y da questão e outras crônicas (2007, Ed. Literalis) – livro finalista do Prêmio Açorianos de Literatura 2008 e para Livro do Ano (crônica) pela Associação Gaúcha de Escritores (AGEs). Em 2011, Inter Pares, Faraco de Azevedo Advogados 60 anos (Ed. Literalis), obra premiada na categoria “Livro Texto” no 7º Prêmio Gaúcho de Excelência Gráfica, bronze na categoria “Capa de Livro ou Caderno do Prêmio Colunistas Design Rio Grande do Sul 2011 e prata na categoria “Design Gráfico e Promocional” do 37º Salão De Propaganda ARP.  Enquanto Tempo – crônicas (2013, BesouroBox) foi desenvolvido para ser trabalhado nas escolas e sua obra individual mais recente é Greve de Sexo e outras crônicas (Buqui, 2016), coletânea que contempla suas crônicas dos dois primeiros anos como colunista do Metro Jornal de Porto Alegre.

Cursou a Oficina de Criação Literária da PUC, Módulos 1 e 2, da qual resultou o livro Pedra, papel e tesoura, contos de oficina 38 (2008, Ed. Bestiário). No mesmo ano, ao lado de Valesca de Assis, assina a co-organização de Ponto de Partilha I (Ed. Kalligraphos). Ainda como organizador, lançou em 2012 o livro Moraes da História (Ed. Bestiário), coletânea de contos desenvolvidos na oficina literária do Clube de Mães Vila Assunção e, com o mesmo grupo, lançou em 2014 a obra Almanaque coletivo do cotidiano particular (Ed. Bestiário).

É o idealizador e organizador da Oficina Literária Santa Sede, crônicas de botequim. Com ela, já lançou as coletâneas Santa Sede – crônicas de botequim Safra 2010 (Ed. Literalis), Safra 2011 (Ed. Fábrica de Leitura), Safra 2012 (Ed. Literalis), Safra 2013 (Ed. Buqui), Safra 2014 (Ed. Buqui), Safra 2015 (Ed. Buqui) e Safra 2016 (Ed. Buqui).  Também no âmbito da Santa Sede, foi organizador e autor do livro tributo a Antônio Maria Maria volta ao bar (2014, Ed. Buqui), finalista do Prêmio Açorianos de Literatura 2015 e para Livro do Ano (crônica) pela Associação Gaúcha de Escritores (AGEs), Cobras na Cabeça (Ed. Buqui, 2015), lembrando os 40 anos de As Cobras (Luis Fernando Verissimo) e A persistência do amor (Ed. Buqui, 2016) em homenagem a Paulo Mendes Campos, Livro do Ano (crônica) pela Associação Gaúcha de Escritores (AGEs) 2017. Em 2016, a Oficina Literária Santa Sede, crônicas de botequim foi agraciada com o Prêmio Açorianos de Literatura na categoria Destaque Literário.

Ministra oficinas e palestras no Circuito ARTE SESC de Literatura desde 2008. Foi Vice-Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGES) entre 2012 e 2015 e jurado no Prêmio Açorianos de Literatura em 2016 na categoria Crônica. Ministra oficinas de crônicas regularmente em Porto Alegre compondo o corpo docente do StudioClio, Casamundi Cultura e Metamorfose, e atua como consultor e palestrante através da Profit Consultoria, Comunicação, Métodos e Processos – Divisão Cultural.