The news is by your side.

Número 211

5 1.243

O PESADELO ACABOU

 

Notícia: Sandy e Junior anunciam o final da carreira de dupla. Final brasileiro, é certo: eles começam um novo projeto acertado com a MTV, que garantem ser o último. Em nossas bandas, com o perdão do trocadilho, nem as ações definitivas, como é o caso de final, deixam de ser lentas, seguras e graduais. Quem já passou dos quarenta sabe do que estou falando. Louvemos a notícia e seu valor simbólico.

 

Em dezessete anos de carreira, os irmãos cantores bateram a casa dos quinze milhões de discos vendidos. Contra estes números não há argumento: eles são a imagem e o som do sucesso. Acompanhados de profissionais competentes desde a primeira nota aguda, Sandy e Junior se revelaram artistas em constante amadurecimento e merecedores de suas conquistas. Impossível assistir a um show dos meninos sem ficar fascinado com o espetáculo. Ninguém é obrigado a gostar da música da dupla, mas a todos cabe reconhecer seus méritos.

 

Dito isto, por que comemoro o fato de eles se separarem? Óbvio: Sandy e Junior não podem ser mais representativos do que considero a pior fase da Música Popular Brasileira (MPB). Eles são os filhos prodígio do formulismo das gravadoras, do sucesso enlatado, da tentativa vil de sepultar o grande mérito da sonoridade nacional: sua pluralidade. Para piorar, prostituindo uma raiz bastante autêntica – a música sertaneja do Sudeste e Centro-Oeste. Os meninos não são culpados por fazer tanto sucesso. Nós somos.

 

Em 1991, exato ano em que os filhos de Xororó e Noely iniciaram a carreira conjunta, vivíamos no país a era Collor. A lenta e gradual democracia virara realidade e, com isso, deixava de ser a utopia salvadora que impulsionou uma geração magnífica de músicos. Em 1989, caíra o Muro de Berlim. Estava montado o cenário para um mergulho no torpor do fim da festa. Por um lado, tudo parecia já ter sido dito. Por outro, o silêncio das vozes dissonantes favorecia os negócios. A MPB veiculada nas rádios, em regra, tornou-se uma pasta brega. Abriu-se a porta para o mau-gosto. Um pesadelo. Parece piada, mas coube ao importado Rock salvar a pátria verde-amarela.

 

Não há bossa-nova que sempre dure, nem onda sertaneja que nunca termine. Hoje ouço a Sandy cantando Tom Jobim e Cole Porter. O Junior, com pendência pop, Soul Music. O salto que pretendem dar em direção ao público adulto é o mesmo que os está afastando da raiz caipira-romântica. Isso não é coincidência. Os ventos renovadores da internet enfraqueceram o poder das gravadoras e, mesmo sem se extinguirem, os Brunos & Marrones da vida perderão a força que os fazia absurdamente hegemônicos. Por sua vez, emepebistas que pareciam fazer música às escondidas (da mídia), aos poucos, retornam para as FMs, trilhas de novelas e teatros. Posso ver o sorriso largo da Elis Regina lá no céu. O sonho não acabou.

 

==== /// ====

 

Por falar em música, dia 27 de abril, sexta-feira, estarei com o Grupo Versão Brasileira* no auditório da Livraria Cultura – Bourbon Country, 2º piso –, às 19:30h. Para o show, standards de jazz e composições próprias. Ingresso: 1Kg de alimento não perecível.

 

Fica o convite!

 

* Felipe Braga (sax) Antônio Xavier (violão e guitarra)

Marcelo Leal (contrabaixo) Rubem Penz (bateria)

5
Deixe um comentário

avatar
5 Tópicos de comentários
0 Tópicos de respostas
0 Seguidores
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Robertson Frizero BarrosRubem PenzZéliaAugusto M. Paim, vulgo Augustóteles Recent comment authors
  Acompanhar discussão  
newest oldest most voted
Notificação de
Augusto M. Paim, vulgo Augustóteles
Visitante

Companheiro oficineiro!
Se não estivesse indo para Santa Maria na quinta à noite, com certeza estaria na livraria Cultura do Country. É bem pertinho da minha casa e eu gosto de jazz!
Quando tiver repeteco, por favor, avise-me!
Abraço! E sucesso!

Zélia
Visitante

Ainda bem…que o sonho não acabou!!!

Bjs

Rubem Penz
Visitante

Augusto,
espero que não falte oportunidade!
Zélia,
nem o sonho, nem a esperança!
Abraços, Rubem

Robertson Frizero Barros
Visitante

Puxa, talentos insuspeitados!
Parabéns!

Eu fui percusionista em décadas passadas; hoje, só me sobraram os instrumentos que entulham a garagem de meu sogro…

Sobre Sadiejúnior, tenho medo que isso represente uma multiplicação por dois da tolice… Mas, enfim, nossa sorte é que o pequeno Júnior nunca foi muito talentoso e é promessa de um “mico” total…

Um abraço, Beto

Rubem Penz
Visitante

Beto,

o dia em que o sogro lhe cobrar a conta do depósito, aceito doações. Instrumentos de percussão merecem mãos que os toquem!

Abraço,
Rubem