De cem em sem

De cem em sem

Rubem Penz

Mal nascia os anos 1980 e eu já dava adeus aos bancos escolares. E, naquele tempo, o mais efervescente movimento pedagógico – por assim dizer – era a consolidação do estilo “curso pré-vestibular” de ensino: turmas grandes em salas aos moldes de anfiteatro diante de um professor alçado ao patamar de animador de auditório. Para garantir o êxito neste modelo, havia condições prévias em termos de recursos materiais e, principalmente, recursos humanos – só cativava a atenção de centenas de alunos um verdadeiro artista.

As famílias da maioria dos meus colegas do Colégio Anchieta, para não dizer a totalidade, dispunham de recursos para ofertar a seus filhos o acesso ao curso preparatório para as provas de seleção universitária. Desta forma, já havia familiaridade com o conceito espetaculoso de transmitir conteúdo. Coincidia, também, a presença de professores “de cursinho” no quadro escolar. Assim, tiveram a ideia de juntar as turmas de duas em duas para promoverem o que era chamado de “aula de cem”: a transposição da aula-show para dentro de nossa grade curricular. Ah, era um grande sucesso! Num só momento movia o aluno para fora da sala tradicional e dava palco aos professores-estrela.

Um dos mais notáveis que vi atuar foi o Carlos Alberto Gianotti. Ele não tinha turma: tinha plateia.

Para quem nunca pensou no assunto, devo dizer que raros são os mestres que reúnem a um só tempo conteúdo, carisma e performance – ordem elencada de propósito. Conteúdo é a base de qualquer profissional que se proponha a dar aula. Carisma eu já coloco no pacote do pendor ao magistério: capacidade de capturar a atenção, liderança, personalidade. O mais frequente é o equilíbrio entre estes dois fatores dentro da sala de aula. Para a performance, todavia, outras habilidades precisam existir: teatralidade (ser um personagem), capacidade de compor roteiros criativos, domínio do tempo de piada, alta velocidade de improvisação, argúcia para “ler a turma”. Eles não são professores melhores do que os outros, são apenas diferentes.

Um dos mais notáveis que vi atuar foi o Carlos Alberto Gianotti. Ele não tinha turma: tinha plateia. Sabia o nome de quase todos de cabeça, reconhecia os fortes e os fracos, magnetizava a turma contando histórias de personagens inventados (ou colhidos em sua larga carreira) e transmitia o conteúdo como poucos. Era tão rápido no raciocínio que jamais perdeu o controle do espetáculo. E, de tantas aulas inesquecíveis, de uma recordei esses dias. Um colega que chamarei de A. era especialmente estranho. Em uma das aulas de cem do Gianotti, A. resolveu colocar a classe atrás de uma coluna. De tanto em tanto tempo, inclinava-se para ver o quadro. Fez isso uma, duas, cinco vezes até que o professor não aguentou: parou a aula para comentar de modo jocoso o inacreditável, para a tristeza de A. e alegria de todos.

Deixamos o colégio naquele ano. Não sei se meu colega passou a integrar o rol de personagens do Gianotti, a exemplo do “Magro do Chicletts”, que suponho ter existido de verdade. Mereceu. O que sei é o quanto lamento este período de aulas online para todos. Num clique, qualquer um pode fechar a câmera e ir “para trás da coluna”, deixando o professor com poucas ferramentas para mensurar a compreensão. Todos podem ser A. sem risco de serem constrangidos a participar do encontro, se não de corpo inteiro, apenas de rosto. Para a decepção dos mestres espetaculares, saímos da aula de cem para a aula de sem.

 

Comentários

2 comentários em “De cem em sem”

  1. Carlos Alberto Gianotti

    Penz, meu caro, foi com emoção que li tua crônica de hoje. São incontáveis minhas lembranças de ótimas passagens nos ambientes daquelas turmas anchietanas de cem. Recordei, sim, do aluno que nomeaste como A, a “assistir” a aula por trás da coluna, mas não lembro o nome. Enfim, estive por 21 anos no Anchieta, onde, preciso mencionar, fui ano a ano aperfeiçoando minha formação como docente – mesmo porque ali tive grandes profissionais com colegas. Reencontrar meus antigos alunos, como aqui aconteceu pela tua crônica, me traz emoção e alegria. Agradeço tuas amáveis e generosas palavras. Abraço caloroso.

    1. Rubem Penz

      Caríssimo Gianotti,
      Nossa formação como pessoas se deve muito aos mestres e, por isso, nossa dívida é eterna. Em meu nome e em nome dos colegas, nosso muito obrigado. Abraços calorosos, Rubem (sobre o A., revelarei apenas em foruns privados, é claro!) 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima