Número 285

SEDUÇÃO

A mulher traz em seu código genético um compêndio rico e detalhado de estratagemas de sedução. O quanto e quando fará uso destas informações é mais um de seus mistérios. Certo mesmo, apenas a fragilidade masculina em lidar com a situação posta, caso ela resolva conquistá-lo. Vou dar um exemplo: você está lá inerte, desligado, em paz. Eis que chega uma morena com brilho fulgurante nos olhos e um sorriso tão acriançado que provoca, de imediato, o efeito espelho (meninas, sorrir de volta nem sempre é galanteio – pode ser apenas boa educação).

Ela puxa uma conversa sobre amenidades e, com maestria, divide o olhar entre um mirar direto e um desviar (falsamente) tímido. Fala de perto, quase sussurra – quando a mulher diminui o volume, usa um tom mais grave e gasta mais ar do que o necessário, permitindo que seu hálito se insinue. Preocupado em escutar, você se distrai do olfato e da visão, que passam a trabalhar contra a sua vontade, mandando relatórios sobre eventuais ferormônios e volume dos seios. A temperatura corporal sobe e, ato contínuo, todas as percepções sensoriais se aguçam, curiosas. Mais um pouco você estará fantasiando cenas luxuriantes.

Mas, digamos que você não reage (sei lá: é distraído, comprometido, tímido) e o silêncio se impõe. Neste momento, ela volta à carga parecendo responder a pergunta que não foi feita, brejeira: Sou laboratorista. Mas desejo mesmo cursar psicologia e trabalhar com crianças (falar de crianças assim, nessa situação – e com tal desfaçatez – é quase um crime). Gosta de crianças? E agora? Como negar? Impossível, todos gostamos de crianças… É tudo que ela precisa para engatar mais cinco minutos de hálito fresco e sorriso franco. Sua estrutura começa a ser corroída, mas você se mantém teso, cerimonioso. Ela avança: Soube que você é escritor. (ah, soube? como?) Minha mãe quem me contou.

Horror! Com uma mãe interessada por você, se é quase genro. Pior: você repara que a menina está naquela idade eqüidistante entre ser criança e ter trinta anos. Nada menos do que a melhor. Ela diz que não foi assistir a sua palestra porque estava em aula. Mas quer comprar o livro. E espera um autógrafo: Lindo! (massagem no ego, golpe baixo) Nocauteado em pé, você apenas agradece, preso no córner. Então, sem misericórdia, ela mordisca o próprio lábio inferior e desfaz o gesto com novo sorriso – maior, sem-vergonha. Traz o dedinho apontado e o encosta em seu rosto: Você tem um monte de pintinhas! Que bonitinho! Deixa eu contar…

Sedução, enfim, é isso: astúcia, ousadia bem medida, controle da situação. É muito do que experimentamos ao escrever. Quem cria textos sabe o quanto é excitante planejar o modo de conduzir o leitor pelo caminho imaginado. Por exemplo: agora, você pode estar pensando que o que foi narrado aconteceu de verdade, que a moreninha existe e, dia desses, veio falar comigo. Pensa também que uso essa crônica para contar o fato aos amigos, deixando-os podres de inveja – ainda mais depois de sugerir um final que só quem aprecia dedos curiosos sabe onde pode chegar. Isso, ou que eu tenha criado tudo para testar o humor da esposa, que lê todas as crônicas antes de serem publicadas.

Quem me conhece sabe do que eu seria ou não capaz.

gostou? comente!

Scroll to Top