Ainda que pareça tarde*

Com força e com vontade

A felicidade há de se espalhar

Com toda intensidade

 

Há de secar as cidades, as ruas, os bairros, os lares

De enxugar os olhos dos que tudo perderam, menos a fé

E de resgatar a esperança em dias melhores

Ainda que pareça tarde

 

Há de pensar nos homens, nas mulheres e nas crianças

De afagar suas almas, aquecer seus corpos e restaurar lembranças

E de garantir a paz, sem abandonar cobranças

Ainda que pareça tarde

 

Há de buscar ideias, conversas, consertos, consensos

De levantar os dados, de explicar os fatos e assumir os erros

E de rumar adiante sem esquecer de tudo que ainda temos

Ainda que pareça tarde

 

Há de vencer a inércia, a burocracia, a má vontade e o temor

De ver a consciência sobrepujando a descrença, a tristeza, o horror

E de brotar em nossos pagos o tão necessário amor

Ainda que pareça tarde

 

Com força e com vontade…

 

*Inspirada na canção “Antes que seja tarde” de Ivan Lins e Vitor Martins

6 comentários em “Ainda que pareça tarde*”

  1. “Há de secar as cidades, as ruas, os bairros, os lares
    De enxugar os olhos dos que tudo perderam, menos a fé
    E de resgatar a esperança em dias melhores
    Ainda que pareça tarde”

    Ainda que pareça tarde, que tudo isso se torne verdade. Porque até mesmo a esperança precisa de resgate.

  2. De Mello, João Luiz

    Para a solidariedade, para a a empatia, para o movimento por um ambiente sadio, para que não precisemos muros, diques ou bombas d’água ou outras bombas. Nunca é tarde, mesmo que pareça Abraço por mais um texto maravilhoso, que não parece tarde.

    1. Rubem Penz

      Quando o cronista escreve, é porque já está nos corações, Querido João Luiz. Muito obrigado!

  3. Muito lindo! Eu também acredito muito na arte como inspiração para resgatarmos a esperança depois da tragédia. Obrigada

gostou? comente!

Rolar para cima